Mobilidade

Transportes que só aceitam numerário considerados uma entropia

Um estudo da Visa sobre transportes e cidades inteligentes revela que a complexidade no pagamento está no centro de muitas queixas comuns.

Os passageiros relataram que a utilização média do transporte coletivo aumentaria em 27% se fosse mais fácil efetuar o pagamento, segundo o documento.

Esta é uma das conclusões de um estudo da Visa e da Universidade de Stanford sobre transportes, intitulado “O Futuro do Transporte: Mobilidade na Era da Megacidade”.

O estudo revela que ainda que a complexidade no pagamento está no centro de muitas queixas comuns. Mais de 19 mil passageiros de 19 países participaram nesta pesquisa que permite concluir que 47% dos inquiridos considera um problema a necessidade de bilhetes distintos para diferentes modos de viagem.

Outro problema é o desconhecimento sobre o valor a pagar (44% dos inquiridos) sendo ainda apontado como entropia, o facto de alguns transportes apenas aceitarem dinheiro vivo no pagamento.

Como consequência, os inquiridos consideram que “estas frustrações” os tornam “menos propensos a usar o transporte público e mais propensos a conduzir automóveis próprios.

Velocidade, segurança e conveniência dos pagamentos Contactless

Este estudo foi conhecido durante o Mobile World Congress, em Barcelona, altura em que a Visa e a Planeta Informática divulgaram uma nova solução que visa aumentar a velocidade, segurança e conveniência dos pagamentos contacteless nos transportes públicos.

Em causa está o novo Visa Secure Access Module (Módulo de Acesso Seguro) para os operadores de transporte público.

A primeira operadora de transportes públicos a adoptar a solução será a Metro Rio, no final do próximo mês de abril. O caso concreto resulta de uma parceira entre a Visa, a Planeta Informática e a Ingenico Group.

Segundo a Visa, o novo módulo, “facilita às organizações de transporte e operadores a oferta aos passageiros da capacidade de pagamento com um cartão contactless, telefone ou dispositivo wearable, sem as despesas e requisitos técnicos de substituição de torniquetes atuais ou hardware de terminal”.

O Visa SAM permite “melhorar a experiência do cliente, aumentar o número de passageiros e reduzir despesas gerais de emissão de bilhetes”, defende a empresa.

O módulo pode ser instalado nos torniquetes já existentes nos operadores de transportes, o que reduz também o custo e o tempo de implementação. O módulo está disponível para todos os parceiros de tecnologia Visa Ready, que incorporam o módulo nas ofertas de outras empresas de hardware e software relacionadas com os transportes.

A solução vai ao encontro do estudo referido, pois “soluções mais simples, como o Contactless, podem ser críticas para aumentar o número de passageiros e satisfação no futuro.

A Visa já implementou soluções de trânsito contacteless em 20 cidades em 12 países, com mais de 150 projetos em andamento.