Inovação

Cinco tendências de IoT nos pagamentos

A empresa de serviços de pagamentos apresentou vários dispositivos baseados em Internet das Coisas, no seu “Innovation Forum”.

A Mastercard organizou em Lisboa uma mostra com palestras e algumas das suas novidades tecnológicas para o sector dos pagamentos. Dedicado ao tema “Empowering you in the digital economy”, o Mastercard Innovation Forum, acolheu com destaque vários dispositivos e serviços baseados em tecnologias de Internet das Coisas, (IoT) a tecnologia que está a dar novas funções a pulseiras, anéis ou porta-chaves.

A perspectiva da Mastercard enquadra-se com a integração de soluções de pagamentos em dispositivos que, à partida, não teriam sido pensadas para isso.

“Graças à IoT, todos os equipamentos podem estar ligados à Internet e isso para a Mastercard significa mais equipamentos capazes de fazer compras e de as pagar. Mas para que isso aconteça, é preciso construir soluções mais simples e seguras – porque a questão da segurança é inalienável -, mais intuitivas e centradas no cliente, para que a experiência de compra não tenha atritos e decorra com naturalidade”, comenta Paulo Raposo, country manager da Mastercard em Portugal. Isso implica prescindir, tanto quanto possível, de passwords e códigos.

Bruno Degiovanni, vice-presidente para os Pagamentos Digitais da Mastercard, revelou, durante uma palestra, “que dentro de pouco tempo poderá haver um acordo no seio do sector global de pagamentos para a criação de um standard para os pagamentos por token em toda a Internet”.

A IoT abre caminho para prescindir, tanto quanto possível, de passwords e códigos.

A aplicação de tokens, acredita, em novos dispositivos de pagamento, representa um novo patamar de segurança que vai permitir que, em cada compra, deixe de ser necessário digitar um código ou inserir uma password. “Bastará, a par do token, a validação feita através de um dado biométrico, como a impressão digital, o reconhecimento facial ou a leitura da íris, por exemplo”, defende.

Rui Fonseca, director de desenvolvimento de negócio da Mastercard, sublinhou que “a IoT surge no contexto da indústria dos pagamentos, como uma das melhores opções para alcançarmos os designados ‘pagamentos invisíveis’, os quais vão incrementar e melhorar de forma significativa a experiência de compra do consumidor”.

Tome nota de algumas demonstrações que estão a abandonar o campo da ficção científica.

Cartão Biométrico

A Mastercard demonstrou no local o funcionamento do cartão biométrico, que combina a tecnologia “chip” com um sensor para leitura da impressão digital, semelhante à utilizada nos smartphones. Pode ser aplicada em todos os terminais de pagamento existentes no mundo, diz a empresa

A informação biométrica é integrada no cartão e em momento algum pode ser extraída desse cartão, a não ser pelo seu detentor, no momento de pagar, garante. Segundo a mesma, é um processo de autenticação forte que substitui o PIN ou a assinatura. Uma vez que o processamento dessa informação se passa exclusivamente no cartão, os comerciantes não precisam de suportes ou requisitos adicionais.

M4M

O M4M trata-se de um serviço para tornar mais seguro e mais rápido o “checkout” nas compras online, através de um token criado especificamente pelo utilizador para uma determinada loja e que só funciona entre esse utilizador e essa loja. No caso da informação no site ficar comprometida, o token não poderá ser nem reutilizado nessa loja, nem utilizado para outros fins, noutras lojas, garante a empresa.

Wearables

O pagamento através de “wearables” é já uma realidade, mas também uma tendência que no futuro ganhará cada vez mais adeptos, diz a Mastercard, segundo a qual estimativas apontam para a existência de mais de 50 mil milhões de dispositivos inteligentes até 2020.

As funcionalidades de pagamento seguro podem ser adicionadas através da tokenização da plataforma Mastercard Digital Enablement Services (MDES) aos acessórios que os consumidores já estão a usar, incluindo pulseiras de ginástica, joias, roupas, relógios, defende.

Espelho “inteligente”

Uma das inovações apresentadas especialmente para o comércio foi o “Espelho Inteligente” (Smart Mirror), um espelho interativo sensível ao toque desenvolvido pela Mastercard, que proporciona uma experiência de compra multissensorial. O equipamento recorre a tecnologia RFID (identificação por radiofrequência) para possibilitar, a breve trecho, que os consumidores possam escolher e pagar as suas peças de vestuário a partir dos espelhos instalados nas lojas ou em showrooms.

O espelho, além de reconhecer os produtos que entram no provador, criando um carrinho de compras virtual, também recomenda outros produtos à venda na loja e que podem corresponder às escolhas que o consumidor já levou para o provador, permitindo ainda chamar um assistente, escolher a iluminação, ou selecionar outros tamanhos e cores.

NuData: comportamento biométrico

A demonstração da solução biométrica inteligente da NuData, uma empresa adquirida em 2017 pela Mastercard, permite diferenciar dois utilizadores a tentarem fazer o login a um mesmo website, através dos seus dados biométricos, distinguindo o consumidor autêntico daquele  potencialmente fraudulento.

Esta diferenciação é feita através do perfil que cada um dos utilizadores tem online, em aplicações móveis ou interacções com o seu smartphone. Dessa forma é capaz  de sinalizar os utilizadores aos quais é associado maior risco. “A tecnologia determina, classifica e aprende a partir de todas as transacções móveis ou online para permitir aos comerciantes e emissores tomarem as suas decisões de aceitação ou recusa de compra, praticamente em tempo real”, acrescenta a prestadora de serviços.