Smart cities

Cidades cashless, quando os meios de pagamento estão alinhados com o propósito das cidades inteligentes

Cidades cashless

Cidades cashless, quando os meios de pagamento estão alinhados com o propósito das cidades inteligentes

As cidades inteligentes estão a crescer, a transformar a realidade e a gerar novas oportunidades que também impactam os meios de pagamento. Os pagamentos e recebimentos são uma componente importante da vida das cidades inteligentes porque estão implícitos nos seus serviços básicos e abrangem todos os agentes económicos.

As cidades smart, muito assentes em tecnologia parecem ser o cenário perfeito para o desenvolvimento de novas soluções de pagamento como os pagamentos mobile. Tratam-se de soluções cashless em que, como o próprio nome indica, basta um smartphone ligado à Internet para pagar compras ou subscrever um serviço. Não é preciso utilizar dinheiro ou cartões. É rápido, prático e higiénico já que não há qualquer contacto físico. Além da tecnologia contactless (NFC – Near Field Communication), utilizada para ler cartões e telemóveis, fazem ainda parte deste rol de tecnologias a MST – Magnetic Secure Transmission e a QR Code – Quick Response.

A utilização das tecnologias digitais, desde os telemóveis, aos robôs e à inteligência artificial, tem transformado o modo como vivemos, fazemos compras e viajamos. Em cidades cada vez mais inteligentes e ultra conectadas, viver sem dinheiro físico pode ser mesmo possível graças às tecnologias de pagamento mobile.

Um estudo realizado em 100 cidades com diferentes níveis de maturidade digital concluiu que a utilização destas novas tecnologias de pagamento poderia gerar um benefício líquido de até 470 mil milhões por ano, ou seja, o equivalente a 3% do PIB médio dessas cidades e mostrou os potenciais benefícios de uma cidade cashless. Entre esses ganhos está a redução da criminalidade e roubos, a melhoria da mobilidade, especialmente nos transportes públicos, e na qualidade ambiental. Afinal, não será preciso gastar plástico para produzir cartões ou emitir dióxido de carbono em deslocações desnecessárias para fazer transações.

A mobilidade é uma das áreas mais impactadas nas smart cities pelas tecnologias de pagamento já que têm ganhos significativos de conforto, comodidade, poupança de tempo e eficiência, fatores que poder ser determinantes na opção pelo transporte público. Através da Visa Secure Access Module (VSAM) já é possível comprar bilhetes nos transportes públicos sem dinheiro, sem contacto, por meio de um telemóvel. O Rio de Janeiro é a primeira cidade do mundo a utilizar esta tecnologia na sua rede de metro.