Consumo

67% dos portugueses estão dispostos a experimentar novas formas de pagamento

67% dos portugueses estão dispostos a experimentar novas formas de pagamento

O confinamento durante o estado de emergência em Portugal levou as empresas e os consumidores a favorecerem os pagamentos contactless. Agora que começamos lentamente a desconfinar, 67% dos portugueses dizem estar dispostos a experimentar novas formas de pagamento nas lojas. A conclusão consta de um estudo da Ipsos para o PayPal que revela alterações significativas nos hábitos de compra dos portugueses devido ao COVID-19.

De acordo com os dados divulgados esta quinta-feira (25 de junho), enquanto a grande maioria dos cidadãos portugueses (62%) usou cartões bancários para pagar as suas compras durante o confinamento, 47% optou pelos pagamentos online. 67% dos millennials preferem serviços de pagamento online, em comparação com 40% dos cidadãos que têm mais de 55 anos.

Agora, passado o estado de emergência, 67% dos consumidores inquiridos estão dispostos a experimentar novas formas de pagamento nas suas lojas favoritas e 62% dos inquiridos revelam que preferem usar métodos de pagamento contactless para evitar a introdução do pin.

Por outro lado, 62% dos inquiridos em Portugal estão dispostos a voltar a pagar em dinheiro nas lojas quando a situação melhorar, mas 33% continuam com medo.

O estudo agora publicado mostra ainda que o COVID-19 trouxe uma alteração dos hábitos de consumo dos portugueses, que estão hoje mais dispostos a comprar produtos locais para apoiar a economia.

27% dos consumidores dizem que fazem compras com pequenas empresas mais frequentemente do que o habitual durante o confinamento, em comparação com 16% que afirmaram o mesmo para as grandes lojas. Os mais velhos, por outro lado, parecem ser os que mais estão dispostos a apoiar as empresas locais, com 89% das pessoas com mais de 65 anos a acreditar que o apoio à economia local é essencial para superar a crise e com 63% a referir sentir-se responsável por apoiar as empresas na sua área. Passado o confinamento, 75% dos inquiridos em Portugal afirmam que vão comprar mais produtos locais e regionais.

Consumidores nacionais são solidários
Outra das tendências observadas é uma enorme onda de solidariedade. De acordo com o estudo do PayPal, “embora tenha existido uma diminuição temporária dos donativos durante o confinamento devido a uma fase de incertezas que exige resiliência, o abrandamento do confinamento conduziu a um aumento significativo de ações solidárias.”

Assim, os portugueses inquiridos referem que querem contribuir para a recuperação económica e o pagamento online é o seu método preferido para o fazer: 69% dos consumidores afirmam ter escolhido este método de pagamento para enviar dinheiro aos seus familiares (familiares e amigos) durante o confinamento e 72% dos inquiridos preferem agora fazer doações online, um aumento de 14% em relação ao período antes crise.

“Estamos numa situação sem precedentes que mudou radicalmente a forma como vivemos, trabalhamos e consumimos. Orgulhamo-nos da forma como a nossa comunidade PayPal se uniu para proteger e apoiar uns aos outros, e de como conseguimos aproveitar a nossa tecnologia para ajudar os nossos consumidores e comerciantes a superar este desafio. Os comerciantes têm usado a sua criatividade e generosidade para continuar a servir os seus clientes e permitir-lhes pagar com tranquilidade”, explica Miguel Fernandes, diretor de Negócios do PayPal em Portugal.

Conheça o estudo do PayPal em detalhe aqui.