biometria

Biometria ganha destaque nos pagamentos feitos com telemóvel

Os sistemas biométricos preparam-se para ultrapassar os métodos de pagamento mais tradicionais já nos próximos anos. Estão a ganhar popularidade e a banalizarem-se, sobretudo em dispositivos móveis.

Um estudo da Acuity Market Intelligence prevê que em 2022 existam 5,5 mil milhões de dispositivos móveis com capacidades biométricas, que vão permitir autenticar mais de um bilião de transações anualmente.

A pesquisa sublinha que o mercado tem evoluído para a integração de métodos de autenticação biométrica com diferentes níveis de complexidade, cada vez mais preparadas para rivalizar com sistemas mais tradicionais de autenticação e com garantias adicionais de segurança.

Isto contribuirá para que o mercado continue a desenvolver-se a ritmo acelerado para gerar receitas de 50,6 mil milhões de dólares em 2022, valor referente apenas às soluções biométricas para dispositivos móveis.

Já as receitas de aplicações biométricas, de acordo com os mesmos dados, vão crescer 26% no período em análise, passando de 9,4 mil milhões, para 29 mil milhões de dólares. O número de downloads de apps com estas caraterísticas vai já este ano ultrapassar os 16,7 mil milhões, segundo a Acuity.

Um estudo divulgado em maio, pela Juniper Networks, analisou o mesmo fenómeno, para estimar que as transações móveis pagas com recurso a sistemas de autenticação biométrica ultrapassarão já este ano os 2 mil milhões de dólares em valor, contra 600 milhões de dólares no ano passado.

O relatório faz notar que a utilização da tecnologia disparou graças à banalização de sensores de impressões digitais em telemóveis e tablets. Mais de metade dos dispositivos vendidos em 2017 (cerca de 60%) têm este tipo de sensores.