IBM

Setor financeiro enfrenta onda disruptiva

As novas tecnologias, a transformação digital e a influência do cliente são hoje fatores determinantes na Banca e nas instituições financeiras, que precisam ser mais competitivas, consolidar o lucro sustentável e ainda fazer face às novas diretivas e regulamentações europeias no setor e na área dos sistemas de pagamentos. Consciente destas realidades, a IBM convidou personalidades do panorama financeiro nacional para apresentar a sua visão sobre estas áreas e debaterem os novos modelos de negócio do setor financeiro.

Na sessão «Bringing new meaning to Financial Services», António Raposo de Lima, Presidente da IBM Portugal, afirmou que há fatores que estão a provocar uma enorme disrupção, como a nova concorrência com a entrada de players de outros setores e o aumento das expectativas dos clientes, que acompanham a rápida evolução do novo mundo digital e que exigem ofertas cada vez mais personalizadas
Toda esta transformação digital provoca uma maior exposição e uma ameaça crescente na área da segurança e da fraude. É, aliás, neste conexto que a IBM se juntou à SIBS para a criação de uma solução cognitiva de deteção de fraude em tempo real inovadora, agregando o amplo know-how e procedimentos de segurança e anti-fraude da SIBS com a tecnologia cognitiva de última geração da IBM na área de Watson for Financial Services.
Esta tecnologia estará disponível a partir do segundo semestre do próximo ano, num modelo as-a-service, para todos os mercados, indústrias e clientes no mundo inteiro que reconheçam o valor acrescentado desta nova solução para o seu negócio.
“O objetivo é proporcionar mais transparência em todos os pagamentos estabelecidos e mais confiança e segurança ao consumidor em todas as suas transações”, destacou António Raposo de Lima.
Os novos sistemas cognitivos, que aprendem autonomamente, compreendem linguagem natural com raciocínio lógico, e interagem mais naturalmente com as pessoas, são a peça-chave para que as empresas possam tomar a decisão certa, na hora certa. Neste caso, permitem agregar novas e inovadoras capacidades às entidades financeiras para que estas consigam chegar junto dos clientes mais rapidamente e criar novos modelos de satisfazer as suas exigências, oferecendo soluções inovadoras e disruptivas, como novas aplicações móveis e novos serviços em plataformas online.