fintech

App de pagamento móvel Seqr agora é Glase

João Pedro Duarte, director-geral da Glase em Portugal

A alteração da designação da empresa decorre da aquisição do Seqr Group pela Glase FinTech.

A Glase FinTech anunciou recentemente a aquisição do Seqr Group AB e da sua app de pagamento móvel, Seqr. Desta compra resultou a mudança completa e abrangente da empresa incluindo a renovação da app que passou a designar-se Glase, marca que está a ser lançada na Europa.

João Pedro Duarte mantém-se à frente dos destinos da empresa em Portugal. Também o produto em si irá manter-se praticamente inalterado. “A alteração de nome de Seqr para Glase vai um pouco além de só um novo logotipo e esquema de cores. Nesta primeira fase mantemos todas as funcionalidades atuais, mas vai existir claramente um foco maior no posicionamento ao nível de utilizadores e funcionalidades core como o “Tocar e Pagar”, para pagamentos contactless”, explica o diretor-geral da Glase em Portugal, à SmartPaymentsNews.

Por seu lado, o administrador executivo da Glase FinTech, Peter Fredell, explica que a transformação da empresa começou com a aquisição da Seqr. O objetivo é “criar um produto de consumo ainda mais interessante, amigável e relevante”.

A, agora, Glase “permite pagamentos sem contato com o smartphone. Os utilizadores simplesmente encostam o telefone no terminal do cartão sem contato para tocar e pagar. É uma alternativa rápida e fácil ao dinheiro e/ou cartões, já que não há necessidade de inserir um código PIN para transações de baixo valor e desta forma, os detalhes pessoais estão sempre protegidos”, explicou a empresa, em comunicado aquando do anúncio da aquisição, há cerca de duas semanas.

“Os pagamentos sem contato são possíveis desde que sejam aceites pela rede Mastercard, presente em cerca de 36 milhões de pontos de vendas em todo o mundo”.

Os pagamentos sem contato são possíveis desde que sejam aceites pela rede Mastercard, presente em cerca de 36 milhões de pontos de vendas em todo o mundo. No final de 2019, todos os terminais de cartões na Europa têm de aceitar pagamentos sem contato, como foi anteriormente decidido pelas redes de cartões.

Esta questão está interrelacionada com a Diretiva PSD2, “uma vez que esta altera, significativamente a relação banca/fintech /comerciantes/utilizadores finais ao permitir que várias entidades passarão a ter acesso a um conjunto de serviços até hoje só disponíveis através da banca e de algumas fintech”, explica João Pedro Duarte.

Para a Glase, a directiva “é claramente uma oportunidade enorme, visto que permite fortalecer as nossas relações tanto com os utilizadores finais como com os comerciantes que exigem pagamentos mais rápidos, mais seguros e com custos menores”, acrescenta o director-geral.

A Mastercard, parceira da Glase, faz parte do painel de oradores no SmartPayments Congress, nos próximos dias 23 e 24 de maio, no Lagoas Parque, em Oeiras.

Além dos pagamentos sem contato, a Glase também oferece pagamentos com códigos QR (os QR Code), através do qual, o código QR é lido no checkout sendo a compra aprovada através da digitação de um código PIN.

A aplicação permite ainda a transmissão instantânea de valores directamente entre duas pessoas (P2P), independentemente da localização desse utilizador no mundo. Deste modo, os utilizadores não necessitam de vincular uma conta bancária, já que o dinheiro é transferido entre contas Glase.

A solução Glase está disponível para download na Google Play Store e na App Store e pode ser utilizada em 14 países, europeus incluindo Portugal.

Tendência global: pagamentos digitais

A app Seqr antes da mudança.

A Glase quer ser “driver chave da evolução digital”, explica director-geral da Glase em Portugal, João Pedro Duarte, num mundo em que se regista uma “tendência global dos consumidores se tornarem substancialmente mais digitais”.

João Pedro Duarte explica que “o uso de dinheiro está a reduzir-se rapidamente em lojas físicas em todo o mundo em benefício da mobilidade dos pagamentos”. Por outro lado, assisti-se também a outro fenómeno que se prende com “o facto dos consumidores estarem tendencialmente a abandonar as lojas físicas e a comprar cada vez mais online, onde os pagamentos em dinheiro não são possíveis”, estando também a crescer o “recurso a um smartphone com tecnologia contactless” para “pagar em qualquer lugar no mundo”, uma funcionalidade diferenciadora da Glase face a outras carteiras móveis, explica o directo-geral.

No futuro, a Glase estima que os pagamentos passem por “um único dispositivo e uma única aplicação, que suporte a realização de pagamentos em loja e online, em parques estacionamento, em máquinas de vending” ou em qualquer outro cenário de pagamento, ligado diretamente às suas contas bancárias, sem intermediários e sem qualquer custo de utilização”.