Amazon

Amazon inaugura loja de conveniência sem caixas de pagamento

No final de 2016 a Amazon apresentou o conceito Amazon Go e começou a testá-lo junto de um grupo restrito de utilizadores, seus funcionários. Esta segunda-feira assinalou o lançamento oficial da loja, a primeira no mundo sem caixas ou sistemas de pagamento à saída.

A Amazon Go é uma loja de conveniência ao estilo mini-mercado, que se distingue de todas as lojas do género porque não tem caixas de pagamento e, sem caixas, também não terá filas para pagar, nem tempo de espera para completar as compras, argumentos que a retalhista acha que podem ditar o sucesso do conceito.

Como o Smartpayments já tinha explicado e mostrado, nesta espaço, o cliente faz as compras e quando termina sai simplesmente da loja. Durante todo o processo dezenas de câmaras e de sensores recolhem informação sobre os produtos tirados das prateleiras e vão adicionando cada item a um carrinho de compras virtual. Qualquer produto que o cliente retire da prateleira, mas volte a colocar no lugar, sai da conta a pagar nesse preciso momento.

A identificação de cada cliente é feita com a ajuda de uma aplicação, que disponibiliza um código QR lido à entrada do espaço, onde estão uma espécie de torniquetes que obrigam ao check-in do cliente antes de entrar. O cliente passa com o smartphone no leitor e valida a entrada. À conta na aplicação tem associado um número de cartão de crédito, que vai pagar as compras quando o sistema regista a saída da loja.

A abertura ao público da primeira Amazon Go aconteceu esta segunda-feira, 22 de janeiro, quase um ano depois do previsto pela retalhista, que tinha indicado o início de 2017 como data previsível para a abertura da primeira Amazon Go ao público em geral.

Dificuldades inesperadas na operacionalização do conceito terão obrigado a estender o período de testes, mas não comprometeram a abertura ao público da loja de Seattle. Desde que começaram os testes muito se tem escrito sobre os planos da Amazon para fazer evoluir o conceito, mas na verdade a empresa pouco revelou sobre isso. Garantiu apenas que não tem intenção de usar o sistema na cadeia de supermercados que adquiriu no ano passado, a Whole Foods Market. Fica por revelar se o plano passa por abrir outras Amazon Go, ou vender a tecnologia a terceiros.